Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário Medicina Preventiva

Uma intensa viagem pelo dia-a-dia de uma estudante de Medicina e, além disso, algumas indicações sobre a importância da prevenção para preservarmos a nossa saúde.

Diário Medicina Preventiva

Uma intensa viagem pelo dia-a-dia de uma estudante de Medicina e, além disso, algumas indicações sobre a importância da prevenção para preservarmos a nossa saúde.

06.Nov.07

HIPO E HIPERTIROIDISMO

 

A Glândula Tiroideia é uma glândula localizada anteriormente à traqueia, responsável pela produção das Hormonas Tiroideias.

Quando há uma disfunção nesta glândula, a produção das hormonas tiroideias fica alterada.

Se há uma insuficiência na produção de T3 e T4 (as hormonas tiroideias activas), geralmente devido a uma falha na tiróide, na hipófise ou no hipotálamo, há uma diminuição do metabolismo basal, o que resulta numa situação patológica denominada hipotiroidismo. Os principais sintomas desta doença são bradicárdia (diminuição da frequência cardíaca), bradipneia (diminuição da frequeência respiratória) e dispneia (dificuldades respiratórias), anorexia, anemia, sonolência, letargia, pele fina e seca, obesidade, depressão, confusão, pálpebras caídas, fala lenta e voz rouca, ...

Na situação contrária, o hipertiroidismo, ocorre uma produção excessiva de hormonas tiroideias e, consequentemente, uma intensificação dos efeitos por estas produzidos. Assim, os principais sintomas são: aumento da frequência cardíaca (taquicárdia) e respiratória (taquipneia), diarreia, osteoporose, nervosismo, irritabilidade, hipercinésia, pele quente e húmida, calafrios, tremor, perda de peso com manutenção do apetite, hipertensão arterial, insónias, olhos salientes e avermelhados...  A doença de Graves é um exemplo de hipertiroidismo numa doença auto-imune, em que o próprio organismo produz anticorpos para que estes destruam as células da glândula tiroideia.

O hipotiroidismo é tratado com a substituição da hormona tiroideia deficiente, através de preparados orais, particularmente a hormona sintética T4. Uma alternativa é a remoção de hormonas tiroideias de animais, embora a forma sintética seja mais segura e mais usada. No entanto, é necessário bastante cuidado com as doses excessivas desta hormona de substituição, que pode ter graves efeitos secundários sobretudo em pessoas idosas. Geralmente, a medicação deve ser tomada durante toda a vida. Em casos urgentes, a hormona pode ser administrada por via endovenosa.

O hipertiroidismo pode ser tratado farmacologicamente, pela extracção cirúrgica da glândula ou ainda pelo tratamento desta com iodo radioactivo.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.